<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d32597565\x26blogName\x3dProsavulsa\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://prosavulsa.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://prosavulsa.blogspot.com/\x26vt\x3d8678557149260499783', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script> Prosavulsa

domingo, agosto 27, 2006

\suicido\


refaz a faca a linha funda
sulco perene
entre o seu e o meu entremeio
o que resta do caminho
escurecido depois da vírgula
depois do cansaço amanhecido

a faca faz espelho, às vezes
com voracidade
racha a massa
e liberta o
visgo rubro vesgo

fere a faca a mesma ferida
: frouxa
sobra o sopro probo bobo
pedaço outro
e o cerco desfeito
fugaz, faceiro

uma faca furta o fino fio
(último)
de vida
e finda

Marcadores:

quinta-feira, agosto 24, 2006

Passa!

Civilizados, só alguns
prefiro - eu
a selva,
seu breu

sexta-feira, agosto 18, 2006

O Laparoso

The face as Landscape - Salvador Dali , El Gran Paranoico, 1936


Quando intentou viver, poeira demais já se encontrava acumulada em suas dobras. Poeira do tempo, represada pela inércia. Esticou-se na tentativa de livrar-se do excesso, mas o corpo reclamou: quilos e quilos de adiposidade retinham-no. A poeira opaca e mal cheirosa resistia com bravura em resvalar de dobras tão perenes e vultosas, arrisco-me até a dizer, vetustas. Moveu-se. Não com pouca dificuldade: passo a passo a passo. Passados minutos, a penumbra da cozinha já encobria suas vergonhas. O ar seco eriçou-lhe os pêlos, todos de uma vez. Estava nu. Na boca, o gosto amarelo dos dias perdidos dormia de maneira aparentemente irremediável. Ser-lhe-ia imperioso relutar. O cair da noite trazia-lhe a cegueira necessária para desaparecer, não, contudo, para esquecer-se de si.

Tateou em meio à escuridão e por fim encontrou o puxador. A mobília despedaçava-se aos poucos e completava o caos do ambiente. O odor do mofo secular que decorava as paredes verdescurecidas, subiu-lhe às narinas: vertigem. Segurou com firmeza a gaveta e dela retirou, por fim, um remédio. Talvez o único. Segurou com firmeza a metade de madeira do objeto e a outra, pontiaguda, tratou de usar com precisão. Golpes certeiros e a faca, levada a todos os sítios daquele corpanzil, limou toda carne grossa que comprometia sua estrutura. Pedaço por pedaço. Em algumas horas estava livre do excesso por anos carregado. Sentia-se leve.

O resto da noite passou dentro de uma banheira especialmente preparada no dia anterior: ervas finas, sais nutritivos, sal marinho, algas cicatrizantes e toda sorte de poções, soluções e patuás que conseguira encontrar na feira das Folhas Frescas e que prometiam rejuvenescimento e vida longa. Do banho mágico despertou lá pelo meio da manhã. No corpo, a despeito do tratamento estético-suicida, nenhuma marca ou cicatriz, nenhum machucado. Sentiu-se renovado. Colocou sua melhor roupa, um conjunto de seda e tricoline comprado há mais de vinte anos, e saiu para aproveitar o resto do dia. Queria ser visto, sentir novamente olhares em sua direção sem aquele misto de pena e repulsa.

Na rua tentou, de todas as maneiras, ser serelepe, para agradar ou atrair para si alguma atenção. Sem efeito. Não importava onde fosse, com que jeito se mostrasse. Ninguém o notava. Depois de horas de tanta desdita, a praça pareceu-lhe o melhor lugar para continuar a praticar suas técnicas para ser gostado: trazia ainda uma última carta à manga. Acorreu a um canto não procurado por quem ali já se encontrava, sentou-se e deixou despencar sobre si um fim de tarde cheio de ruídos. O cheiro úmido das flores várias no canteiro mais próximo trouxe-lhe um gosto de devaneio azedo, vontades esmagadas num turbilhão irrefreável de ressentimentos urdidos no contrabalancear dos tempos do início de seu declínio pessoal e intransferível.

Sacou, então, do bolso lasso da calça lassa um pequenino vidro, a ultima das poções, parte do ritual mágico encetado desde a noite passada, o plano b, por assim dizer. Do frasco transparente com rótulo inelegível posicionado à porta da boca, um líquido macio deslizou-lhe amídalas a baixo. Um estremecimento repentino percorreu sua compleição oblongada. Por um momento o mundo pareceu-lhe um lugar interessante. Por ele passaram duas ou três pessoas que curiosamente o olharam, não sem reticência alguma, e até riam-se da figura estranha posta àquele banco isolado da praça, isolado em um canto, o banco, num canto oco a ecoar à infinitude. Rapidamente iniciou-se nele uma perda de consciência e, num avanço irretroativo de quente e frio, dor e prazer, culpa e perdão, tristeza e solidão, desfaleceu, então. Instalou-se o silêncio.

Só foi-lhe possível reter na fundura da retina fraca o piscar dos postes de iluminação que, já àquela hora da tarde, davam por iniciada mais uma noite perdida na cidade de casos e descasos.

Com o nascer de um outro sol tentaram, os homens da prefeitura, recolher, em vão, uma massa espessa que escorria num banco do canto da praça. Uma lama cínica e opaca que descia pelo encosto de madeira prensada, esvaia-se por entre as frestas do assento e ia inundar o jardim próximo, multiflorecido e farto de odores, que não demorou muitos dias e desapareceu, numa desertificação nunca antes vistas nos parques públicos daquela cidade.

Marcadores: